Catastrófico tudo

Entre mortos e feridos, de concreto sobram apenas as paredes que sustentam o caos e a miséria. Se nem tudo é engraçado e se não podemos nos dar ao luxo (qual Balzac teria feito) em chamar a realidade de “a comédia humana”, preferimos um caminho mais sensato, coerente e contextualizado. Um dos males da mídia – além de ter se tornado multimídia – está na exploração de superfícies que não lhe dizem respeito. E é o que acontece, também e novamente, com esta tragédia que ocorreu na cidade de Santa Maria (RS), no último domingo, 27/12/2013.

Deus, a ciência ou outro ponto de vista teve alguma influência sobre estes acontecimentos, pois permitiu a todos nós o direito das múltiplas possibilidades. Há, na mesma medida, uma enorme e esplendorosa capacidade para sermos sábios ou burros. Olhando pela janela, ou lendo um jornal (ou um blog) parece que a burrice é uma possibilidade mais fácil, porque requer menos esforço, apesar do alto custo que sempre aparece a posteriori. Inescapável asneira se dá na mídia ao cogitar ser um poder – o quarto, dizem uns mais abobados – que lhes escapa desde a sua origem. Mas é tênue a linha entre a justiça e a opinião. Dotados somos todos de opinar, já a competência de julgar escapa-nos em grande escala: do repórter que pergunta como a mãe que perdeu a filha está se sentindo ao juiz do Supremo que entende a lei à maneira que lhe convém.

Em tempos de guerra, morrem os novos. Em tempos de paz, os velhos. A guerra travada na boate Kiss em Santa Maria não contou com a presença de fuzis ou soldados. Mas como num exército, a maioria dos presentes era jovem. Numa contagem de mortos que parece não estancar (mais de 230 pessoas até o momento em que este texto era escrito) está quantificada o custo de uma guerra que acontece com a mídia, e não apesar dela. Jornais impressos ou virtuais, programas de rádio ou de televisão expõe as falhas que levaram ao incêndio acidental.

“Tragédia anunciada”, pregam os especialistas

Um sinalizador é apontado como o estopim, mas os problemas como que existiam desde sempre. E este é o ponto cego, seja para a política, para a polícia ou para a imprensa. As leis que não se cumprem, qual o alvará negado que deveria ter impedido a boate de funcionar, arrastam consigo a distopia presente do “catastrófico tudo”. Nem adianta correr ou chorar, porque as tragédias estão anunciadas muito antes das previsões que Nostradamus viu em sua bacia.

A boate Kiss (Beijo, em inglês) é o cenário dessa destruição definitiva. O julgamento final, como diz a Bíblia (religião e punição) ou como o James Cameron indicou em O Exterminador do Futuro 1 e 2 (tecnologia e auto-aniquilação). O Beijo da morte não poderia ter escolhido palco mais trágico: uma festa reunindo universitários e outros jovens em busca diversão. Mas o domingo também era um dia do catastrófico tudo. Diversão versus segurança. Paz versus Guerra.

A absolvição, como em outras tragédias deste porte, não virá de modo reconfortante. A justiça não restitui determinadas perdas – equação visível na catástrofe das vítimas no trânsito, dos violentados em roubos, sequestros, espancamentos, das mortes em conflitos armados, dos que padecem de fome, doença… é este catastrófico tudo invisível para uma imprensa que não se cansa de dizer, escrever, noticiar mais do mesmo.

 > São José/SC, 28/01/2013.

Deixe um Comentário

0 Comentários.

Deixe um Comentário