Arquivos de Tags: Mídia

Meu encontro com Fátima

Você sabe o que Fátima Bernardes sentia quando repetia diversas vezes “é obvio que nós queremos a Copa” e “o movimento não é contra a seleção brasileira” em seu programa matutino do dia 18 de Junho? Eu não sei. Mas pela insistência da apresentadora, desconfio que fosse medo.

Mas medo, mesmo, foi o que os manifestantes massacrados pela polícia de São Paulo sentiram durante os protestos pela redução da tarifa do transporte público na cidade. Medo e revolta. Revolta foi o que fez com o que milhares de pessoas saíssem às ruas de várias cidades do país no dia anterior ao do programa de Fátima, mesmo que toda a mídia brasileira tenha chamado aqueles manifestantes massacrados de “baderneiros” e “vândalos”.

Então foi a vez dos donos das emissoras de TV, Rádios e Jornais sentirem o único medo que são capazes: o de perder dinheiro. Já imaginou o prejuízo que as repercussões negativas de uma série de manifestações cada vez mais numerosas pode causar nas proximidades de arquibancadas de futebol repletas de estrangeiros? Imagine se as pessoas tivessem noção do estrago que um enorme apagão de audiência durante os grandes eventos faria no sistema como um todo?

Era necessário acabar com a baderna logo. Afinal, em poucas semanas, também começará a Jornada Mundial da Juventude Católica no Rio de Janeiro. Mais um evento que, assim como a Copa, leva muito dinheiro público.

O que o Papa vai pensar disso? É amedrontador.

Como se fosse uma deusa

E, qual um passe de mágica, o discurso da maior emissora do país e das suas concorrentes mudou completamente. Dias de caos e destruição se transformaram em “dias históricos, quando as pessoas de bem, vestidas de branco e com a cara pintada lutavam pelos seus direitos”.

O que aconteceu nas últimas semanas só será analisado com o devido distanciamento histórico, mas acredito que a imprensa brasileira ofereceu uma infinidade de casos de estudos para quem quiser se debruçar em pesquisas sobre a manipulação da opinião pública. Inclusive, manipulação que abusou de subterfúgios que ofendem a capacidade de discernimento de qualquer um que esteve na rua nestes dias agitados.

Talvez a maior de todas as deturpações seja o ocultamento às centenas de vaias e palavras de ordem como “O Povo não é bobo, abaixo a Rede Globo” e até “Pau no cu do Edir Macedo” cada vez que a câmera desta ou daquela emissora chegava perto de uma manifestação. A ponto dos jornalistas terem que fazer o seu trabalho escondendo as logomarcas das emissoras. Estas cenas aconteceram em diversas cidades do país, mas apenas uma foi exibida durante o programa Profissão Repórter, em que o Caco Barcellos era cercado por manifestantes que queriam impedir o seu trabalho, ao mesmo tempo que era protegido por outros.

Em tempo 1: O SARCASTiCOcomBR não concorda com o impedimento do trabalho jornalistico, independente de onde seja publicado ou transmitido.

Do Prozac ao Projac

Em longas análises políticas na TV a cabo, noticiários ou nos tablóides, a imprensa brasileira empenhou-se como nunca em evidenciar a crise de representatividade que a democracia brasileira vive hoje.

A imprensa cobra uma mea-culpa dos políticos. Mas quando esta mesma imprensa, principalmente a televisiva, fará a auto-crítica necessária para honrar as concessões públicas do uso do espectro eletromagnético que ocupa?

O sinal de que as coisas não seria tão fáceis como nos anos 1970 foram as milhares de mensagens indignadas em um tipo de mídia que ainda não está sob os grilhões dos anunciantes ou caciques políticos: a internet. No dia seguinte após se ler, ver e ouvir que “não havia feridos” nas manifestações, dezenas de tumblrs e blogs foram criados com fotos de gente sangrando e cheia de hematomas. A versão de cada cidadã e cidadão era publicada em tempo real. Não era mais possível calar as pessoas ou fingir que elas não existem. Partiu-se para o plano B: direcionar as atenções, dar bandeiras a punhos vazios, oferecer soluções genéricas para quem sofria de disenteria ideológica.

E foi no Fantástico (programa dominical de formação de opinião da classe média) que os placebos ganharam propriedades científicas: o programa afirmou que iria “trazer as respostas das manifestações dos últimos dias”. O show da vida divulgou uma pesquisa encomendada ao IBOPE, na qual as motivações dos protestos variavam da PEC 37 à corrupção. Milagrosamente, a crítica aos meios de comunicação não apareceu em lugar algum.

2013-06-24 19.15.04

Exibição do documentário “Muito Além do cidadão Kane” na UDESC

No dia seguinte, estudantes de Florianópolis organizariam um debate sobre a mídia na Universidade Estadual de Santa Catarina (UDESC). No evento, foi transmitido o documentário “Muito Além do cidadão Kane”. Nem todo mundo acreditou que o país estava dormindo até ontem e resolveu colocar a imprensa na pauta de muitas conversas nas ruas, nas casas e na internet, onde se dá a maior guerra de todas: a da informação. A cada dia, um boato novo surge: “A direita dará o golpe”,  “o dia do basta está chegando”, “a Presidenta fechará a internet” (sendo esse o mais divertido de todos).

Cenas dos próximos capítulos

No fim das contas, a mídia impressa, sempre mais tradicional, ainda precisa vender papel para sobreviver. Talvez por isso, prefira o bom e muito velho “Golpe Comunista”. E em meio ao festival de abobrinhas, boas ideias florescem a cada dia nas redes. A Reforma Política é uma delas. Uma reforma no sistema eleitoral, que pode retirar o poder econômico o controle sobre a vida e a morte de uma república adolescente. Uma reforma que pode obrigar os partidos a conquistar aquilo que perderam faz tempo: a coerência. Uma reforma que pode mexer com muita coisa, inclusive a mídia, já que vai provocar o debate público sobre marco regulatório para as comunicações e um marco civil da internet.

Uma Reforma  Política que pode não ser nem a que está em pauta hoje, nem a que a Presidente está falando. Uma Reforma Política que pode estar sendo escrita nas ruas.

Adivinhe qual será o próximo alvo da mídia?

Em tempo 2:

Um grupo de comunicadores independentes convocou pelas mídias sociais uma Assembleia Popular com o tema “Democracia na Mídia”. Este encontro aconteceu em São Paulo, às 19 horas na Praça Roosevelt, e, principalmente, na internet, já que será transmitido online. No evento, serão abordados aspectos como a concentração financeira da mídia tradicional, além de seu caráter pouco plural e nada diverso. Da mesma forma, serão debatidos temas como o papel da internet na nova mídia, suas oportunidade e limitações de alcance, entre outros assuntos.

Catastrófico tudo

Entre mortos e feridos, de concreto sobram apenas as paredes que sustentam o caos e a miséria. Se nem tudo é engraçado e se não podemos nos dar ao luxo (qual Balzac teria feito) em chamar a realidade de “a comédia humana”, preferimos um caminho mais sensato, coerente e contextualizado. Um dos males da mídia – além de ter se tornado multimídia – está na exploração de superfícies que não lhe dizem respeito. E é o que acontece, também e novamente, com esta tragédia que ocorreu na cidade de Santa Maria (RS), no último domingo, 27/12/2013.

Deus, a ciência ou outro ponto de vista teve alguma influência sobre estes acontecimentos, pois permitiu a todos nós o direito das múltiplas possibilidades. Há, na mesma medida, uma enorme e esplendorosa capacidade para sermos sábios ou burros. Olhando pela janela, ou lendo um jornal (ou um blog) parece que a burrice é uma possibilidade mais fácil, porque requer menos esforço, apesar do alto custo que sempre aparece a posteriori. Inescapável asneira se dá na mídia ao cogitar ser um poder – o quarto, dizem uns mais abobados – que lhes escapa desde a sua origem. Mas é tênue a linha entre a justiça e a opinião. Dotados somos todos de opinar, já a competência de julgar escapa-nos em grande escala: do repórter que pergunta como a mãe que perdeu a filha está se sentindo ao juiz do Supremo que entende a lei à maneira que lhe convém.

Em tempos de guerra, morrem os novos. Em tempos de paz, os velhos. A guerra travada na boate Kiss em Santa Maria não contou com a presença de fuzis ou soldados. Mas como num exército, a maioria dos presentes era jovem. Numa contagem de mortos que parece não estancar (mais de 230 pessoas até o momento em que este texto era escrito) está quantificada o custo de uma guerra que acontece com a mídia, e não apesar dela. Jornais impressos ou virtuais, programas de rádio ou de televisão expõe as falhas que levaram ao incêndio acidental.

“Tragédia anunciada”, pregam os especialistas

Um sinalizador é apontado como o estopim, mas os problemas como que existiam desde sempre. E este é o ponto cego, seja para a política, para a polícia ou para a imprensa. As leis que não se cumprem, qual o alvará negado que deveria ter impedido a boate de funcionar, arrastam consigo a distopia presente do “catastrófico tudo”. Nem adianta correr ou chorar, porque as tragédias estão anunciadas muito antes das previsões que Nostradamus viu em sua bacia.

A boate Kiss (Beijo, em inglês) é o cenário dessa destruição definitiva. O julgamento final, como diz a Bíblia (religião e punição) ou como o James Cameron indicou em O Exterminador do Futuro 1 e 2 (tecnologia e auto-aniquilação). O Beijo da morte não poderia ter escolhido palco mais trágico: uma festa reunindo universitários e outros jovens em busca diversão. Mas o domingo também era um dia do catastrófico tudo. Diversão versus segurança. Paz versus Guerra.

A absolvição, como em outras tragédias deste porte, não virá de modo reconfortante. A justiça não restitui determinadas perdas – equação visível na catástrofe das vítimas no trânsito, dos violentados em roubos, sequestros, espancamentos, das mortes em conflitos armados, dos que padecem de fome, doença… é este catastrófico tudo invisível para uma imprensa que não se cansa de dizer, escrever, noticiar mais do mesmo.

 > São José/SC, 28/01/2013.

Sabe o que mais se ouviu da imprensa catarinense esta semana?

“A prioridade é o show do Paul”

Guiness Records – O maior Ponto de Ônibus do Mundo

Ah, que bom que é feriado!

Ei, você aí! É, você mesmo que está jogado na cadeira em frente ao computador ou, viciado em novidades tecnológicas, que está estirado em sua cama segurando o tablet, saiba que vou te contar umas verdades a partir de agora! Mas fique tranquilo e continue aproveitando este ócio criativo, pois você está ciente que hoje, 01/04/2012, é feriado! E você grita “oba” (Vamos lá, não seja desanimado e grite mesmo)!

E que bom que temos tempo para não fazer nada! Neste momento, então, você pensa que o texto sucumbirá aos emoticons e, quiçá, uma carinha amarela fará o que só a internet sabe fazer: distraí-lo! Não, não queremos que sua atenção se desvie. Por isso, nada de emoticons, letras animadas ou rastros brilhantes na seta do seu mouse. O assunto é sério! Abril é um mês sério, diferente de Fevereiro, por exemplo, que vive indefinido entre ter 28 ou 29 dias! E olha que ainda estamos apenas começando o mês…

Mas não se perturbe com minhas digressões. Quanto mais a angústia é aceita, maior será a satisfação. Afinal, você já deve ter visto um filme do Hitchcock ou do Dario Argento. O suspense é o melhor amigo da paciência! E, eu lhe peço de todo o coração, tenha paciência para comigo. Aliás, nós brasileiros, latinos e colonizados há muito tempo aprendemos que a pressa não vinga em nosso solo. Estão aí os políticos que não me deixam mentir sozinho. Há tanta bagunça na formação de nossa nação (hein?) que aquelas pessoas objetivas, diretas e sem rodeios acabam por falar uma língua estranha, feito um alienígena que nem mesmo sabe proferir indicações óbvias como “ET, telefone, minha casa”. O Governo Federal, falando nisso, tem um projeto de moradia popular chamado “Minha Casa, Minha Vida”, astutamente patrocinado pela Caixa Econômica Federal. E, se você for paciente, poderá conseguir seu próprio lar com algumas muitas prestações.

Voltando em definitivo ao tema de nossa prosa, se é que podemos chamar tais mal traçadas de prosa, posto que você ainda não teve a chance de falar absolutamente nada até agora (a não ser que já tenha me enviado um e-mail mal criado sobre esta verdadeira enrolação), fique aqui com a maior das verdades: hoje não é feriado. Estamos em primeiro de abril e tudo pode soar falso. Se você anda com a corda no pescoço, saiba que o próximo feriado é, veja só, justamente no Dia de Tiradentes (e a corda dele não era no sentido figurado como a sua). Isto significa que devemos esperar até o dia 21 deste mês para, então, festejar (!?) a morte do inconfidente mineiro. Pena que neste ano a data cairá num sábado e boa parte dos trabalhadores já estarão de folga de qualquer jeito. Mas quem foi que disse que o mundo é justo?

“Ah, que bom que é feriado”, a frase que dá título para esta farsa será uma expressão que você certamente deixará de lado ou usará raivosamente naquele e-mail que ficou de me enviar! Seja como for, bons dias! Hoje e sempre. E desejo isto de verdade.

> Florianópolis/SC, 01 de Abril de 2012.