A saga do Jim Jones tropical e os seus dissidentes

Não tenho nenhum depoimento sofrido sobre o Fora do Eixo. Não tenho ilusões perdidas, expectativas frustradas, tampouco temor em jogar fora a água da bacia junto com o bebê.

Não tenho nada disso porque nunca nutri confiança em um projeto político de poder travestido de vanguarda. Salvo por um breve período, após as ressalvas de um amigo cujo histórico de atuação no movimento cultural precedia a atuação do FdE, um coletivo, que em sua visão, tinha um “potencial muito forte para o fortalecimento de políticas públicas no Brasil”.

Em função desta perspetiva, fui no 4º Congresso Fora do Eixo ver de perto do que se tratava o Partido da Cultura” (Pcult), uma proposta para destacar as bandeiras do setor cultural através de articulações suprapartidárias pelo país. Era 2011, ano pré-eleitoral.

Após uma empolgação inicial em ver aquela garotada toda se movimentando em função de bandeiras bacanas como a cultura livre e a organização em rede, fui notando que as coisas não aconteciam exatamente como pareciam. Logo na abertura do evento, que contou com a presença no palco de uns seis ou nove jovens que subiram e desceram do mesmo jeito: Calados. Após 45 minutos de um discurso repleto de frases de efeitos e bravatas de Pablo Capilé, idealizador e gestor do coletivo.

Até então, minha experiência mais direta com o Fora do Eixo foi no UFSCTOCK daquele mesmo ano, em Florianópolis, no qual me convidaram a participar de uma mesa sobre Cultura Digital. No fim do debate, cada participante foi questionado sobre o que achava do trabalho do Coletivo, no que respondi “Acho interessante. É um movimento social que mistura ativismo com técnicas de franchising”. Só me dei conta do caráter “afrontoso” da frase quando me depararei tanto com as reações dos membros do FdE quanto dos meus colegas de mesa. De fato, naquele momento, era uma análise crua e simples que me veio à mente.

Mal sabia eu que a minha impressão se confirmaria tão cedo, meses depois, no Congresso FdE, em São Paulo. Perdi a conta do número de vezes que ouvi declarações como “nós eramos o coletivo das Margaridas, da cidade das Batatinhas, hoje somos a Casa FdE Batatinhas”. Após outros exemplos de pasteurização de iniciativas, cheguei a conclusão de que o FdE era apenas mais um projeto de poder em si mesmo quando ouvi repetidas vezes que o “Partido da Cultura poderia, um dia, ter candidatos próprios nas próximas eleições”.

Meses depois, aquele mesmo amigo que me instigou a conhecer o FdE teve sérios problemas de divergência com a cúpula do coletivo, tendo que se desligar de uma maneira abrupta. Com o afastamento dele e a minha experiência no congresso, foi-se a única tentativa de crédito ao grupo.

testemunhas_de_capile

Um dia, eles batem na sua porta: As Testemunhas de Capilé.

 

O X da questão

Projetos de poder nascem todos os dias. O problema do FdE é a demagogia.

Demagogia esta que atrai muita gente boa, identificada com dinâmicas como o colaborativismo, ação em rede e a cultura digital. E é neste ponto que reside o maior perigo de um projeto falacioso: a frustração de centenas de jovens com conceitos e dinâmicas que foram usados de forma distorcida.

O Fora do Eixo não é uma rede horizontal. Não existe núcleo-duro e personalismo em rede horizontal. O FdE é um coletivo com uma forte estrutura hierárquica que manipula os seus integrantes, que, em sua maioria, pertencem à faixas etárias suscetíveis à influências externas. Além destas características, o FdE usa de coerção psicológica para inibir os membros dissidentes, o que faz com que a sua organização se aproxime mais de uma seita do que de um movimento social.

Para quem circula pelo país e lida com várias outras organizações ligadas à cultura, comunicação e movimentos sociais, não existe muita novidade na onda de relatos e informações que aparecem todos os dias após a entrevista de Pablo Capilé em Bruno Torturra no programa Roda Viva do dia 5 de Agosto por conta da atuação da Mídia Ninja (criada dentro do FdE) nas Jornadas de protestos de Junho no Brasil. O que era até então boato e desabafo amedrontado, ganhou assinatura nas redes sociais.

O fato das pessoas não acharem ruim serem identificadas como escravas, ou partilhar de um projeto de poder de um aparente Tyler Durden (mas que na verdade, não passa de um Edir Macedo hipster), é problema delas.

O problema é obsessão do Fora do Eixo em querer se apresentar como a “nova cultura brasileira” (como eles mesmos se definiram algumas vezes). Não são.

Nenhuma rede, coletivo ou organização será capaz de representar a cultura brasileira em sua totalidade, diversidade e amplitude.

Se não fosse a necessidade constante do FdE em querer ser a “rede das redes” dos movimentos sócio-culturais, provavelmente eu nem me daria ao trabalho de estar escrevendo.

A “Rede das Redes” foi mais uma tentativa de emplacar outra “Marca FdE” nos movimentos culturais. A tal rede seria uma articulação entre todos os movimentos. Para isso estava sendo gestada uma “Embaixada das Redes” (ou coisa parecida) em Brasília. Gerenciada por membros do FdE, é claro.

Após contestar a tal rede em listas de discussão na internet, ganhei uns 100 seguidores em cada mídia social. A maioria com Fora do Eixo no perfil. Acredito que a ideia era começar a dar os nós na rede pelo monitoramento diário de quem a contesta…

 

Mais Samurais Ronins e menos Ninjas Marqueteiros

Como o projeto dentro da Cultura estava encontrando muita gente rancorosa e briguenta, o FdE passou investir na área da comunicação, após as experiências bem sucedidas na Marcha da Liberdade. Assim nasce a “Mídia Minja”, que, mais uma vez, coloca logomarca e roupagem descolada em ações realizadas há anos por militantes pela democratização da comunicação e mídia independente. Como num passe de mágica, “Mídia Ninja” passa a significar “Mídia Alternativa” no debate público.

A Mídia Ninja é apenas mais uma mídia, e não “o paradigma”. Pode ser novidade para os jornalões decrépitos que precisam de rótulos novos, mas, para quem cobre manifestações há anos, não é.

Seria mais coerente para todos, inclusive para a própria base do Fora do Eixo – que acredito sinceramente ter muita gente bem intencionada e disposta a “construir um mundo melhor” – que o coletivo se organizasse como uma grande cooperativa de trabalho, já que nisso, a sua capacidade de articulação é inegável: Reunir uma base de trabalho fiel e fazer um bom marketing em cima.

Ou será que alguém cai ainda nessa história de “Vida FdE”? De que a sua rotina “não se equipara a nada criado na face da terra até então, e, portanto, não é possível adequar tanta novidade aos modelos existentes de organização social”?

Procuro relacionar os acontecimentos políticos mais emergentes sob a perspectiva da crise de representatividade na sociedade. Talvez aspecto mais positivo de toda a questão do Fora do Eixo seja demosntrar, mais uma vez, para a juventude, que ela não precisa de gestores, representantes ou qualquer outro agenciador das suas aspirações. Por mais moderninhos que eles pareçam.

Mais importante do que fazer parte de uma “rede” na qual você não sabe exatamente o que falam em seu nome em gabinetes fechados em Brasília, é se juntar aos seus pares na sua cidade e fazer a cena acontecer nela mesma.

Que a juventude brasileira aproveite o embalo das Jornadas de Junho (o mês que não vai acabar tão cedo) e se desligue cada vez mais de organizações corporativas, partidárias, religiosas e, principalmente, das que misturam tudo.

Deixe um Comentário

3 Comentários.

  1. Thiago:
    Ao ler na cabeça do teu artigo que “Não tenho nenhum depoimento sofrido sobre o Fora do Eixo. Não tenho ilusões perdidas, expectativas frutradas, tampouco temor em jogar fora a água da bacia junto com o bebê”, percebi que é exatamente iso que eu sinto e escreveria em um artigo sobre o FdE, ou melhor: Capilé, o que se acha dono do EIXO. Mas estou postando apenas para coinfirmar que o teu artigo é importante para que as pessoas tenham mais e mais informação (confiável) sobre este processo totalmente “fora do eixo”, metido a esperto e sacana. No mais, boas ações e novos textos aqui na rede. Abração.

  2. Valeu, Motta! Novos textos em breve, com certeza! Mas não sobre esse assunto, que por aqui deu o que tinha que dar. Espero. ;-}

  3. Realmente Thiago esse assunto já chapou. O importante é que a face oculta e muito pouco conhecida pela maioria, sobre o Fora do Eixo, foi posta em evidência e colocado às claras um sistema que travestindo -se de novo, utiliza-se das velhas práticas de outras corporações, que o diga o pessoal da hotel em cuiabá que anda correndo atrás do prejuizo a pelo menos uns 5 anos, após acreditar no jocoso, nauseabundo e nojento Pablo Capilé.

Deixe um Comentário